Governo da Bahia investiga quadrilha que falsifica guias de trânsito animal

Através da ação do Núcleo de Inteligência da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), a autarquia flagrou cinco caminhões carregados de gado na área rural do município de Tanhaçu, próximo a região da Chapada Diamantina.

Dois deles conseguiram driblar a fiscalização e três foram interceptados, evidenciando a utilização de GTA (Guia de Trânsito Animal) falsificada.

A irregularidade está sendo monitorada por um grupo capitaneado pela agência que visa identificar e punir os envolvidos que têm atuado no “esquente” de guias frias em diversas regiões da Bahia.

Os agentes cruzavam os dados de geração das guias com a circulação clandestina dos bovinos e seguiam para averiguação em uma fazenda no distrito de Sussuarana, quando encontraram os caminhões e efetuaram o flagrante, ocorrido na semana passada.

Como não ficou comprovada a origem do gado, 105 bovinos foram levados ao abate no matadouro frigorífico de Brumado, protocolo sanitário adotado como forma de evitar a introdução e disseminação de diversas doenças em território baiano.

Dois outros caminhões carregados de gado continuam em Brumado, sob a guarda da Adab, até que seja apurada a veracidade das informações em relação à propriedade dos animais. Caso as guias não sejam verídicas, os 70 bovinos, também com idade em torno de 12 meses, serão sacrificados.

“Os fatos nos levam a crer que se trata de uma quadrilha especializada para circular com guias falsificadas ou sem as GTAs, que se constituem em documento indispensável para sabermos dados sobre origem, vacinação e sanidade dos animais. Sem isso, a sanidade de nossos rebanhos estará em risco”, disse o diretor-geral da Adab, Maurício Bacelar.

Esquema prejudicado

A equipe tem rastreado a circulação de animais em movimentações suspeitas entre os municípios do oeste com a divisa de Goiás e Tocantins com cidades do Território do Sertão Produtivo, e também na divisa com Minas Gerais.

As ações incluem a vigilância em propriedades que participam de esquemas ilícitos de geração de estoque fictício de gado (boi de papel), e também em propriedades que recebem esse gado acompanhado com as GTAs frias, ou seja, animais de origem desconhecida.

Os envolvidos no comércio de gado clandestino na Bahia tiveram, somente esta semana, um prejuízo estimado em R$ 260 mil com o abate dos bovinos e o valor poderá ultrapassar R$ 400 mil, caso os outros 70 animais sejam sacrificados.

“Apuramos incompatibilidade entre rota percorrida e a suposta propriedade de origem informada na GTA e também no local de emissão da guia, o que levou a equipe de inteligência a suspeitar da fraude. Em seguida, confirmamos que o gado, de fato, não havia saído da propriedade informada na GTA e que o cadastro localizada em Jaborandi, havia sido utilizado por terceiros, sem conhecimento do proprietário”, relata o coordenador do Núcleo de Suporte ao Cadastro Pecuário da agência, Antônio Maia.

“Em alguns casos, é identificado o envolvimento de servidores dos escritórios da ADAB nos esquemas fraudulentos, levando ao seu afastamento imediato das funções e instauração de Processo Administrativo Disciplinar. Durante a operação desta semana, um servidor cedido por uma prefeitura da região foi afastado até a conclusão das apurações”, completa.

As investigações vão continuar para identificar possíveis novas ramificações do crime.

Fonte: Canal Rural / Foto: Reprodução

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑